Skip to main content

Em um ano, 150 toneladas de grãos e algodão são recuperadas

Em um ano, 150 toneladas de grãos e algodão são recuperadas
roubo de carga, estatísticas,acidentes de trânsito

Em um ano, 150 toneladas de grãos e algodão são recuperadas

roubo de carga, estatísticas,acidentes de trânsito
roubo de carga, estatísticas,acidentes de trânsito,
Em um ano, 150 toneladas de grãos e algodão são recuperadas

Um levantamento da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) apontou que 150 toneladas de grãos, como milho e soja, além de algodão, foram recuperadas entre 2021

Um levantamento da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) apontou que 150 toneladas de grãos, como milho e soja, além de algodão, foram recuperadas entre 2021 e este ano, depois de roubos de cargas cometidos nas rodovias de Mato Grosso, modalidade de crime que vem ocorrendo com determinada constância no Estado.

“Nós vivemos em um estado que é do agro, né? Um dos maiores produtores de grãos e, consequentemente, tem uma grande demanda, porque a criminalidade também cresce o olho e, assim, vem ocorrendo diversos crimes nesse segmento, nesse setor, que é o roubo e a questão de cargas”, aponta o delegado titular Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, que conduz o GCCO.

O delegado orienta, antes de mais nada, que motoristas de caminhões e carretas não reajam durante os sequestros visando o roubo de cargas, para que não sejam assassinados.

De acordo com Vitor Hugo, os criminosos costumam agir em locais com pouco monitoramento policial e eletrônico em Mato Grosso. A autoridade policial pontuou ainda que quando os condutores dos caminhões são sequestrados pelos bandidos, costumam ser abandonados em regiões de mata, depois que os comparsas conseguem entregar a carga para o receptador.

“Quando o motorista é levado pra algum cativeiro, eles ficam ali num período até o a organização criminosa conseguir encaminhar a carga para o receptador. Então, ele fica ali por períodos curtos. É lógico, pra quem tá submetido àquela situação, um minuto é uma eternidade, mas eles ficam ali em períodos curtos, até a organização criminosa dar destinação ao receptador da carga roubada, e logo é liberado”, começa o delegado.

“Então, na grande maioria das situações, a vítima não vai ser nem violentada, só vai ficar ali pra que não faça contato com a empresa, com o proprietário do caminhão e acione a polícia. E, consequentemente, a gente orienta que como ele vai ser liberado, para não reagir em hipótese alguma. Porque são meliantes que estão armados”, recomenda.

O delegado ainda alerta aos motoristas que é preciso buscar paradas com segurança nas rodovias de Mato Grosso, sobretudo em locais onde há sistema de monitoramento por câmeras e maior movimento, para evitar a ação dos grupos organizados, que costumam estar em locais menos estruturados aguardando as possíveis vítimas.

“É muito comum os caminhoneiros de outros estados passarem aqui pelo estado de Mato Grosso, e o ideal é procurar principalmente abastecer em lugares que tenham uma segurança maior. Em postos que têm um sistema de monitoramento, que têm um fluxo maior de pessoas. Ter um planejamento da viagem, um planejamento pra que possa abastecer nesses lugares seguros, dormir num lugar seguro. Dependendo da região, não transitar no período noturno, porque no período noturno existe um fluxo menor e os meliantes se aproveitam dessa situação para a prática do crime. Então, buscar um planejamento e viajar durante o dia, parando em lugares seguros. Principalmente onde tem o monitoramento de câmeras de segurança”, reforçou.

O delegado titular ainda pontua que o ideal é que os caminhoneiros mantenham contato e utilizem postos de combustíveis onde tem grande movimentação de pessoas.

“Por exemplo, em situações de postos de combustível, um lugar que não tenha monitoramento eletrônico, um lugar que fica longe de uma base da polícia rodoviária, da Polícia Militar, da Polícia Civil. Então, eles procuram agir em estradas afastadas, que não têm grande movimentação de veículos, procuram essas regiões. Que tem uma facilidade, principalmente sem o monitoramento ali de câmeras de segurança para que eles não possam ser identificados”, acrescenta.

Conforme investigações da Polícia Civil, cerca de 90% das cargas agrícolas que são roubados pelos criminosos são encaminhas para portos de Paranaguá (PR), Itajaí (SC) e Pará, para que sejam distribuídas.

Fonte:https://www.agitosmutum.com.br/policia/em-um-ano-150-toneladas-de-graos-e-algodao-sao-recuperadas-depois-de-roubadas-nas-estradas-de-mt/26750

 

roubo de carga, estatísticas,acidentes de trânsito

Mais notícias

roubo de carga, estatísticas,acidentes de trânsito
roubo de carga, estatísticas,acidentes de trânsito,