O DIAGNÓSTICO PRIMÁRIO DA RECEPTAÇÃO.

Autor:  Flávio Galhardo

Especialista em Inteligência e segurança empresarial

1ª TEMPORADA: Último Episódio.

A notória série sobre o Roubo de Cargas é baseada em fatos reais do cotidiano violento deste crime no Estado do RJ…

E se tua mão te fizer tropeçarcorta-a; melhor é entrares na vida aleijado, do que, duas mãos e ires para o inferno….(Marcos 9, 43 – Bíblia Sagrada)

Por qual razão comparamos os ensinamentos acima com nossa realidade?

Por que do nosso “corpo” nascem, desenvolvem e proliferam os problemas. Isso, claro, se permitirmos!

Na medicina, um bom diagnóstico seguido da medicação correta, proporcionará um tratamento efetivo. Em doses homeopáticas ou de uma só vez, a cura será alcançada.

Noutros segmentos profissionais, nem sempre os conceitos acima são aplicado, então, as doenças surgem, se agravam e matam as pessoas.

Assim, te convido a entender como podemos aumentar um pouco desta imunidade empresarial, no segmento de CARGAS, acompanhando este episódio!

1ª TEMPORADA – A RECEPTAÇÃO ESTIMULA O ROUBO DE CARGAS?
Episódio 4 – A REVERSÃO DO QUADRO COMEÇA POR VOCÊ.

O 2º semestre já se apresenta, junto dele os números que insistem em ultrapassar a realidade vivida um ano atrás. Como reverter este quadro?

Bom, meu amigo (a), a reversão depende de alguns fatores, mas, o principal enredo desta história passa por você – Gestor de Risco ou Empresário.

A Segurança Pública amarga momento semelhante ou pior que o seu, então, suas iniciativas, devem ser, no mínimo, complementares ou independentes dos precários Órgãos policiais.

Caso não tenha conseguido acompanhar esta SÉRIE desde o início, sugiro dar uma olhada nos episódios anteriores, lá deixei algumas dicas que se conectam ao contexto que trataremos.

Episodio 1: Roubo de Cargas é baseada em fatos reais do cotidiano violento deste crime no RJ.

Episodio 2: Série sobre o Roubo de Cargas é baseada em fatos reais do cotidiano violento deste crime RJ

Episodio 3: Série Roubo de Cargas é baseada em fatos reais no RJ

Mas, vamos ao que importa:

1.      MAPEANDO A POSSÍVEL ORIGEM DO PROBLEMA

Ora, somos parte de uma organização, portanto, as buscas pelos resultados devem estar em nosso DNA. Muitas empresas perseguem suas metas, mas nem sempre os métodos escolhidos são os melhores, daí surgem às brechas para as más práticas.

Você já ouviu falar em vendas forçadas ao cliente? Estratégias “competitivas” de mercado?

Não vou me aprofundar, é só uma provocação pra você. No final, estes e outros termos, criam uma famigerada demanda na cadeia, originando novas e criativas atividades de receptação.

Certa vez, um funcionário de uma empresa de entrega, comentou:

“A cada passo que damos com as mercadorias nas ruas, ouvimos dos próprios clientes: Vamos ficar ricos juntos, assim como sua empresa faz (sic).”

Vejam que, a estratégia de aliciamento deste varejista ultrapassa a barreira da proposta pessoal, ela vai direto ao possível seio do problema – a sua empresa. Com isso, reflita comigo nos tópicos abaixo:

a)     Curvas de pedidos e compras de seus clientes

Todo cliente possuí um volume médio de compra, concorda? Seja semanal ou mensal você consegue verificar as aquisições num cenário normal, sazonal e nos picos.

Você já pensou em cruzar estes dados versus seus períodos de incidentes?

Vou além, analise a incidência por localidades ou até mesmo frequência da quadrilha que te agride. Longe de ser uma receita de bolo, mas, desenvolvendo esta habilidade rapidamente você poderá identificar casos, até então, incompreensíveis ao seu raciocínio.

Nesta prática, não se surpreenda ao descobrir que o problema do Roubo de Cargas tem início, meio ou fim, no seu próprio público.

b)   Saldões, Black-Friday e o Mercadinho

Estes são os epicentros do problema. Ofertas tentadoras nos ambientes físicos ou on-line, são incomuns à realidade brasileira, então, acenda uma red-light para isso.

Nossa visão é míope, ás vezes trocar as lentes nos ajuda a tirarmos o foco do ambulante da rua – não que ele seja santo – mas enxergarmos a nossa verdadeira concorrência desleal.

Os impostos continuam altos, da crise não se enxerga o fim, assim, se forma o perfeito argumento de sobrevivência das grandes redes atacadistas, o caminho é receptar.

Mapeie estes estabelecimentos, só o conhecimento de qualidade, movimentará os Órgãos de fiscalização e repressão ao combate efetivo.

Ok, mesmo despertando para os pontos acima, ainda quero lhe provocar…

c)   Seus processos e controles internos são geridos de forma transparente, auditáveis? As pessoas envolvidas possuem o melhor perfil para tais funções?

Não quero te colocar contra parede, mas, relatos apontam que demandas de receptação também estão sendo originadas por parte da própria empresa vitimada.

Como?

Se a carga é segurada e a meta perseguida a qualquer custo, a própria empresa poderá se beneficiar do roubo. Com o objetivo comercial atingido e o seguro cobrindo a perda, todos ganham.

E se durante o roubo não levam toda a mercadoria? O registro da ocorrência pode ser feito como perda total e ao retornar para o site os furos do estoque são acertados.

Seja um comportamento individual ou sistematizado, não descarte que isso pode ocorrer em sua Organização. Algumas empresas são comparadas com a GALINHA DOS OVOS DE OURO, então, MUITOS ENRIQUECEM COM A FERTILIDADE DELA!

2.   CONTRIBUINDO NO MAPEAMENTO

Mesmo que você não tenha um GRIS ou departamento de segurança constituído em sua empresa, como transportador ou gestor, você deve apostar na tecnologia como uma aliada.

Não vou me prender à sugestão de rastreadores embarcados (iscas), pois considero isso primário para atividade. Falo sim, de softwares, Big Data e novos periféricos disponíveis no mercado logístico.

As técnicas operacionais de inteligência devem fazer parte de sua rotina. O Roubo de Carga é um CRIME EMPRESARIAL, conectado. Ao tratá-lo de forma tradicional, você continuará amargando as perdas, portanto, pense e haja de maneira disruptiva.

Por fim, é razoável dizer que tendo como tema central – A Receptação, esta 1ª TEMPORADA buscou contribuir com você sob as seguintes perspectivas:

  • Entendimento primário do problema;
  • Gatilhos mentais, nos campos: jurídico, tecnológico e ambiente interno; e
  • Cognitivo (O que você fará com o conhecimento adquirido?).

Agora, só nos veremos na 2ª temporada, mas, antes de encerrar, qual conteúdo relacionado ao ROUBO DE CARGAS, você gostaria de se aprofundar? Deixe sua proposta nos comentários ou inbox, terei o maior prazer em atender sua expectativa e, quem sabe, lhe ajudar.

Aquele abraço e até a próxima temporada!!!

Fonte: https://www.linkedin.com/in/flaviogalhardo/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*